Preparem-se, 17 de setembro vem aí

Dia 17 de setembro de 2011 já passou, mas deixou um gostinho de quero mais !!!!!!!!


O casamento ...... (Chuva Pétalas)

Nosso Jornal 24/09/2011:

Choveu pétalas de rosas



O som do helicóptero que sobrevoava à Matriz de São Sebastião chamava a atenção dos convidados que por ali chegavam para uma cerimônia de matrimônio na tarde de sábado (17). Esse foi o dia escolhido pelo casal que há 14 anos protagonizou uma cena marcante, também envolvendo um helicóptero.

O toque solene anunciou a entrada do noivo, Ricardo Alexandre Maran, de mãos dadas com a mãe, Célia Regina Antonio José, juntamente com os 12 padrinhos. Depois, clarins e a marcha nupcial anunciaram a entrada da noiva, Michelle Monezzi Gonçalves, que estava de braços dados com o pai, Leonardo Bolzan Gonçalves.

O casamento foi celebrado pelo padre João Francisco da Silva. Ela interpretou a música “Eu juro”, do cantor Leonardo, em homenagem ao noivo, que recebeu um buquê de cravos brancos.

Depois de os padrinhos cumprimentarem os recém-casados, como é de costume, todos se dirigiram para a escadaria da igreja à espera dos dois pombinhos. Enquanto saíam, um helicóptero vinha em direção à Matriz.

Tarde bonita e quente. As hélices do aparelho fizeram o vento soprar forte e as mulheres segurarem o próprio vestido. O piloto, de São Carlos, “parou” sobre a igreja e despejou milhares de pétalas de rosas nos convidados e os recém-casados.
A cena fez lembrar 1997, quando Ricardo ganhou a promoção da Mensagem FM e da Associação Comer-cial de Taquaritinga (Acit) no Dia dos Namorados. A diferença é que, naquela vez, era ele quem estava a bordo do helicóptero despejando as pétalas em cima da casa de Michelle.
“Esse dia marcou demais o começo do nosso namoro, que era apenas de quatro meses”, lembrou a noiva, que é psicóloga. Ricardo trabalha como analista de sistemas em uma empresa de Ribeirão Preto.
Não teve quem não parou para assistir à cena que para eles ficará guardada eternamente. Duas adolescentes que viam as pétalas caírem comentaram uma com a outra: “Quando eu casar, quero que meu casamento seja igual a esse. Que diferente!”, disse a menina para a amiga.
Após o “espetáculo”, os convidados foram recepcionados no Buffet San Remo. Enquanto isso, Michelle e Ricardo seguiram de carro até o Recinto dos Pampas onde o helicóptero pousou para o casal subir.
“O amor está no ar”, lia-se na fuselagem personalizada. Os recém-casados deram uma volta na cidade e pousaram às 18h15 no estacionamento do buffet, que já estava com a fita de isolamento. O aluguel custou R$ 1,8 mil.
“Foi muito emocionante, porque quase ninguém sabia. As pessoas foram ao delírio e fizeram várias fotos e filmagens”, disse Michelle.
As lembranças do grande dia foram todas confeccionadas pelos noivos, desde os convites até as caixas personalizadas. E quem fez questão de ajudar dando um toque a mais foi o produtor artístico Ronaldo Rodrigues e sua mulher, Sirlene, que foram padrinhos de cartório.
Michelle e Ricardo partiram para a lua-de-mel na quinta-feira (22). Durante dois dias, ficaram em Monte Verde (MG), e depois seguiriam para Ilha Bela, Paraty e Angra dos Reis. “Há três anos nós fomos para uma ilha em Paraty com vários amigos. Desta vez, vamos passar para relembrar momentos incríveis juntos”, completou a psicóloga. (Natalia Galati).

fonte: http://njonline.com.br/modules.php?name=News&file=article&sid=1715


Jornal Tribuna 24/09/2011:

Noivos vão de helicóptero para festa de casamento
Convidados e familiares foram pegos de surpresa com aeronave

Os convidados dos noivos Ricardo Maran e Michelle Gonçalves foram surpreendidos com uma chuva de pétalas de rosas atiradas de um helicóptero que sobrevoou a igreja Matriz de São Sebastião, na tarde do último sábado (17), no centro de Taquaritinga.
A ideia original era para que a aeronave pousasse na praça da própria igreja e os levasse até a recepção do Buffet, mas, por precaução do piloto, o plano foi abortado. Com mais segurança, eles foram até a arena do recinto “Os Pampas” e subiram no helicóptero.
Depois de um passeio aéreo pela cidade, os noivos só foram descer no estacionamento do restaurante San Remo, que precisou ser interditado e devidamente protegido para o pouso.
A ideia também pegou de surpresa muita gente do bairro, que se perguntava o que estava acontecendo.
O que nem todos sabiam é que essa história começou há 14 anos, quando Ricardo Maran ganhou uma promoção de uma emissora de rádio da cidade. O prêmio era para comemorar o primeiro ano de namoro. Para isso, um helicóptero foi contratado para jogar pétalas de rosas sobre a casa da então amada. Deu certo: pouco mais de uma década depois o ‘romantismo no ar’ foi repetido no dia do casamento.




fonte: http://tribunataquaritinga.com.br/index.php?id=10480